NOTÍCIAS

Universidade Positivo | 18 de novembro de 2022

Nossa herança: por que precisamos valorizar as culturas indígenas?

O tema da redação do ENEM deste ano foi “desafios para a valorização de comunidades e povos tradicionais no Brasil” e possivelmente você refletiu muito sobre o assunto. 

Pode ser que, também, tenha lembrado de uma visita ao Parque Tingui? O bairro de Tatuquara, Juvevê, Ipanema, no Rio de Janeiro e o Ibirapuera, em São Paulo? Locais com história e nomes de origem indígena. 

Além de espaços geográficos e propostas de textos, vários de nossos hábitos vieram dos povos originários, como por exemplo: descansar numa rede, banhos diários, o consumo de mandioca, o uso de chás com ervas medicinais, nossa língua, arte, música, moda e muito mais. 

Esses exemplos fazem parte de uma herança cultural que tem moldado nossa sociedade e o Projeto de Extensão Povos Originários do Brasil: a presença da cultura e da diversidade na formação da sociedade brasileira liderado pelo Prof. Dr. A. Gabardo Junior, feito aqui na UP em parceria com Aldeia urbana Kakané Porã e o Museu de Arte Indígena, tem jogado luz sobre esse assunto. 

Prova disto é que recentemente o artigo “Diversidade Cultural dos Povos Indígenas: lacunas e oportunidades na extensão universitária”, que foi produzido através do projeto de extensão, recebeu um prêmio da Fundação Cultural de Curitiba! 

O professor conta que existe uma dificuldade da sociedade brasileira em se reconhecer nos povos originários, por isso a pesquisa tem essa importância, ela identifica perfis e abre espaço para o diálogo, que não se limita aos muros da Universidade.  

“Além do reconhecimento pelo trabalho desenvolvido, acredito que esse tipo de premiação contribui para difundir e tornar mais acessível os resultados da pesquisa. Acho importante que tanto a instituição que eu trabalho quanto outras instituições do setor educativo, reconheçam a demanda atual pela temática indígena.”, comenta. 

Para Gabardo reconhecer e valorizar essas culturas – no plural, porque são muitas – ajuda na redução das desigualdades e na diminuição da intolerância que existe sobre esses povos.  
 
“Não podemos fechar os olhos para essa temática, recentemente a ONU (Organização das Nações Unidas) apontou que os conhecimentos desses povos serão determinantes para o enfrentamento das consequências das mudanças climáticas no planeta. Precisamos urgentemente discutir sobre a temática, nos cursos de graduação da Universidade.” 

O docente acredita que a Universidade possui um papel fundamental na difusão dos conhecimentos desses povos. “A extensão é um caminho interessante, que traz contribuições, mas ainda precisamos nos abrir mais para essas comunidades e incentivar nossos alunos a conhecer melhor o Brasil real e verdadeiro.”, finaliza.  

Legal né? E a conversa sobre esse assunto que é tão importante não pode ficar por aqui.
Continue falando sobre o tema com seus amigos e familiares, também aproveite para conferir as dicas de livros, filmes e documentários que fizemos! 

Livros e HQs: 
Os Índios e o Brasil – Autor: Marcio Pereira Gomes 
Maíra – Autor: Darcy Ribeiro 
Foi vovó que disse – Autores : Daniel Munduruku e Graça Lima  
HQ – Ajuricaba – Autores: Ademar Vieira e Jucylande Júnior 

Filmes e Documentários: 
Xingu – disponível na Netflix 
A última Floresta – disponível na Netflix 
ONU – Guarani e Kaiowá: pelo direito de viver no Tekoha – disponível aqui 

CADASTRE-SE

Recebas as notícias em primeira mão.